Nós que passamos apressados pelas ruas da cidade

Sexta-feira, 31 de julho de 2020 (fechando mais um ciclo da lua) "Onde houver gentileza, haverá sempre um gesto que surpreenda. Amor se esconde nas coisas pequenas. E a amizade, nas atitudes que refletem maiores que a presença.".         José Datrino, Profeta Gentileza                Atendendo a uma convocação do serviço público eu agora trabalho em horário especial de pandemia.... Continuar Lendo →

O tempo e o vírus

Terça-feira, 30 de junho de 2020 (de outra terça-feira) "Os tempos mudavam, no devagar depressa dos tempos." Esta é uma frase do conto A Terceira Margem do Rio, de Guimarães Rosa. Apesar de conhecer de nome, o conto, só na semana passada foi que o li inteiro. É um conto tão enigmático quanto seu título,... Continuar Lendo →

Da vida real, quem é que sabe, afinal?

Domingo, 31 de maio de 2020 (para fechar o mês e pra não dizer que não falei do leopardo-das-neves) Um tempo atrás meu filho me convidou para assistir com ele a um dos seus filmes preferidos, A Vida Secreta de Walter Mitty. Ele vivia falando do filme, que era muito legal e coisa e tal,... Continuar Lendo →

Quando é preciso dizer adeus (e sobre o que eu não gostaria de falar)

Sábado, 16 de maio de 2020 (quebrando um silêncio doído) Eu já disse algumas vezes, aqui, que Gabriel García Márquez é um dos meus autores favoritos. Volto a ele sempre, e com a naturalidade de quem se lembra de falar de alguém chegado. Ele dizia que escrever muito era um excelente antídoto para evitar o... Continuar Lendo →

No banquinho do pensador (ou do cantor, sei lá…)

Sexta-feira, 24 de abril de 2020 (520 anos e 2 dias depois do descobrimento do Brasil - e haja descobertas) “Se você pode colocar seus sentimentos no papel, às vezes eles se tornam canções. Outros se tornarão histórias. Você nunca sabe onde eles podem levá-lo." Foi isso que Jon Bon Jovi falou numa aulinha virtual... Continuar Lendo →

Together at home, quem diria?

"que dia é hoje um dia, eu soube hoje me foge do espanto ao esperanto através do ex-pranto lá se vai meu por enquanto" A crônica de hoje vai sair assim, sem data, como nos versinhos do Leminski. A mim parece que o mundo, neste preciso momento, cabe inteiro na originalidade simples desses versos. Na... Continuar Lendo →

Só os pássaros são felizes – parte 2

Terça-feira, 31 de março de 2020 (as flores não vencem canhões nem muito menos vírus, que pena!) Duas semanas atrás eu postei aqui uma crônica sobre pais e filhos, parte 1. Usei minhas metáforas bobinhas de pássaros para ilustrá–la e a segunda parte seria um álbum com fotografias daqueles pequenos personagens emplumados do meu quintal.... Continuar Lendo →

Só os pássaros são felizes – parte 1

Domingo, 15 de março de 2020 ( com corona ou sem corona, o mundo não é mais um banho de alegria num mundo de água quente) Só os mais antigos entenderão a referência acima, mas, de coronavírus já tem gente demais falando demais. De vez em quando eu dou uma travada, por aqui, e estava... Continuar Lendo →

E enquanto o tempo não vem, e o sono não vem também

Domingo, 2 de fevereiro de 2020 (02/02/2020 - daquelas datas curiosas em que ir da esquerda pra direita ou da direita pra esquerda não faz diferença) Nós temos aqui, no Piauí, uma bonita estrada que leva para o litoral. Ela cruza uma região bem árida e já estava em uso há mais de um ano,... Continuar Lendo →

Quando é tempo de lembrar…

Domingo, 19 de janeiro de 2020 (um dia inteiro de chuvinha fina e molhadeira) "Sertão sempre. Sertão é isto: o senhor empurra para trás, mas de repente ele volta a rodear o senhor dos lados. Sertão é quando menos se espera: digo." - João Guimarães Rosa, em Grande Sertão: veredas. Hoje não era mais de... Continuar Lendo →

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: